sábado, 20 de janeiro de 2018

Os filmes de 2018

25 filmes que não vai querer perder em 2018
31 Dezembro, 2017
"Mais um ano, mais uma lista. Com o final de 2017 a aproximar-se, torna-se necessário começar a seleccionar as obras que mais merecem ser vistas no grande ecrã no próximo ano.
Sendo assim, o Espalha-Factos apresenta uma lista de 25 filmes que não vai mesmo querer perder nas salas de cinema em 2018.

O Sacrifício de um Cervo Sagrado

Depois de A Lagosta colocar muitas cabeças às rodas, desta vez o realizador grego Yorgos Lanthimos escolheu um ambiente mais familiar e íntimo em O Sacrifício de um Cervo Sagrado. Misturando o terror psicológico com o seu típico humor desconfortável, o filme segue um cirurgião (Colin Farell), que mantém uma relação de amizade com um misterioso adolescente. Após o rapaz ser apresentado aos membros da família do doutor, estes contraem uma estranha doença. O Sacrifício de um Cervo Sagrado estreia nas salas nacionais no dia 4 de Janeiro.

Um Desastre de Artista

Poucos filmes têm um culto de fãs tão fiel como o de The Room. Tommy Wiseau, o seu realizador/produtor/protagonista já alcançou um nível de popularidade apenas comparável ao de Ed Wood. Sendo assim, era só uma questão de tempo até que alguém fizesse um filme acerca de The Room. Esta obra protagonizada e realizada por James Franco tem como data de estreia prevista em Portugal o dia 4 de Janeiro.

A Hora Mais Negra

Com a invasão da França e da URSS pelos Nazis, o futuro da Europa encontra-se nas mãos do recém-eleito primeiro ministro inglês, Winston Churchill. Cabe-lhe decidir se há de negociar com Hitler ou lutar contra probabilidades incríveis. A Hora Mais Negra é um dos candidatos aos Óscares, com um elenco liderado por Gary Oldman. O filme realizado por Joe Wright estreia nas salas portuguesas no dia 11 de Janeiro.

Uma Mulher Não Chora

Laureada este ano em Cannes com o Prémio para Melhor Interpretação Feminina, Diane Kruger é Katja, uma mulher cuja vida é despedaçada quando o seu marido e filho morrem num ataque terrorista. Passado o luto, Katja decide que não vai deixar o caso entregue à lei, procurando antes justiça pelas suas próprias mãos. Fita que representa a Alemanha na corrida ao Óscar para Melhor Filme Estrangeiro, Uma Mulher Não Chora estreia a 18 de Janeiro em Portugal.

Chama-me pelo Teu Nome

Chama-me pelo Teu Nome é o mais recente projecto do realizador italiano Luca Guadagnino e conta a história da relação amorosa entre Elio, um jovem de dezassete anos, e Oliver, o assistente do seu pai, no verão de 1983 numa aldeia no sul de Itália. A película, encabeçada por Armie Hammer e Timothée Chalamet, que conquistou já a crítica internacional e promete ser uma das grandes revelações de 2018, tem estreia marcada em Portugal no dia 18 de Janeiro.

The Post

Poucos consideram que Steven Spielberg ainda seja um realizador no topo da sua profissão. No entanto, é impossível negar que os seus filmes ainda têm paixão e um toque de mestre único. The Post é o filme mais recente de Spielberg a lidar com eventos históricos – neste caso, o foco está na revelação dos Papéis do Pentágono. The Post é já considerado um dos melhores filmes que o realizador fez recentemente e chegará às salas de cinema no dia 25 de Janeiro.

Linha Fantasma

A longa-metragem mais recente de Paul Thomas Anderson será também o último de Daniel Day-Lewis. Se isso não é o suficiente para dar vontade de ver o filme, talvez o facto de se focar na indústria da moda da década de 1950 o seja. Linha Fantasma chega a Portugal em 1 de Fevereiro.

A Forma da Água

O novo projecto de Guillermo del Toro, A Forma da Água, conta a história de Elisa (Sally Hawkins) e a sua descoberta de uma misteriosa criatura aquática com quem desenvolve uma forte relação. O mais recente “conto de fadas” do realizador mexicano reúne ainda Octavia Spencer, Michael Shannon e Richard Jenkins naquele que é um dos mais aguardados filmes do ano. A película estreia nas salas de cinema nacionais no dia 1 de Fevereiro.

The Florida Project

Após o sucesso de Tangerine (2015), o realizador Sean Baker regressa ao grande ecrã com The Florida Project, o drama que acompanha Moonee, uma menina de seis anos, e seu grupo de amigos num verão repleto de aventuras e surpresas. Os adultos que os rodeiam lutam, ao mesmo tempo, contra as adversidades da vida, tudo isto nas sombras do parque temático da Disney World. Este conto que retrata a realidade da América moderna junta a jovem protagonista Brooklynn Prince e Willem Dafoe numa película que deverá estrear nas salas de cinema portuguesas no dia 15 de Fevereiro.

Black Panther

É o 18.º filme do Universo Cinematográfico da Marvel. Black Panther traz-nos Chadwick Boseman como T’Challa, rei e protector da nação africana de Wakanda. Boseman já se tinha dado a conhecer com eficácia em Capitão América: Guerra Civil, mas assume agora o protagonismo pela primeira vez. O elenco inclui ainda impressionantes adições ao universo da Marvel, tais como Lupita Nyong’O, Michael B. Jordan e Forest Whitaker. Black Panther estreia a 16 de Fevereiro.

Eu, Tonya

Margot Robbie prepara-se para aquele que pode muito bem vir a ser um dos papéis da sua carreira. A actriz foi a escolhida para protagonizar Eu, Tonya, filme sobre a história verídica da patinadora artística Tonya Harding, acusada de agredir violentamente a sua adversária Nancy Kerrigan. A realização é de Craig Gillespie e tem estreia prevista para dia 22 de Fevereiro.

Uma Viagem no Tempo

Esta é uma das apostas da Disney para 2018, aposta esta que marca o regresso de Oprah Winfrey ao grande ecrã. Uma Viagem no Tempo é uma fantasia adaptada do romance de Madeleine L’Engle sobre uma rapariga que procura o pai cientista numa misteriosa Quinta Dimensão, ao mesmo tempo que luta contra os principais dramas da adolescência. Tem estreia marcada nas salas de cinema portuguesas a 8 de Março.

Tomb Raider

Depois de Angelina Jolie, é a vez de Alicia Vikander vestir a pele da grande heroína dos videojogos, Lara Croft. Um reboot cinematográfico às aventuras da personagem, Lara é uma jovem herdeira de 21 anos com dificuldades em encontrar o seu rumo. Sete anos depois da morte do pai, deixa tudo e vai à procura do último paradeiro deste: uma ilha mítica na costa do Japão. Será este o primeiro grande filme baseado num videojogo? Descobre dia 15 de Março nos cinemas.

Lady Bird

Christine é uma adolescente em busca de aventuras, sofisticação e oportunidades – nenhum dos quais encontra na secundária católica que frequenta em Sacramento, Califórnia, onde vive com a sua mãe. Lady Bird explora o último ano de escolaridade de Christine, que inclui o seu primeiro amor, uma peça de teatro e as candidaturas para a universidade. No papel principal está Saoirse Ronan e a realização é de Greta Gerwig. O filme estreia em Portugal no dia 15 de Março.

Maria Madalena

Depois de duas nomeações ao Óscar, Rooney Mara interpreta Maria Madalena. O drama bíblico é realizado por Garth Davis, numa segunda parceria com Mara, depois de Lion – A Longa Viagem para Casa (2016). É contada a história da personagem bíblica, que deixa para trás a sua vida para se juntar a um movimento que mudará o mundo. Joaquin Phoenix promete ainda uma grande interpretação como Jesus de Nazaré nesta obra a estrear dia 22 de Março.

Ready Player One

Treze anos depois de Guerra dos Mundos, o celebrado realizador Steven Spielberg regressa à ficção científica, com uma adaptação do best-seller homónimo de Ernest Cline. A acção passa-se em 2044: Tye Sheridan é Wade Watts, um jovem solitário que encontra refúgio na imensa plataforma de realidade virtual Oasis. Quando o bilionário fundador da Oasis (Mark Rylance) falece, deixa a fortuna e controlo da plataforma como um easter egg em Oasis. Aí a corrida de Wade e tantos outros pelo prémio começa. O filme estreia a 29 de Março nas salas de cinema portuguesas.

Batalha do Pacífico: A Revolta

Cinco anos após a estreia de Batalha do Pacífico, Jake Pentecost (John Boyega), filho de Stacker Pentecostes (Idris Elba), reúne-se com Mako Mori (Rinko Kikuchi) de modo a liderar uma nova geração de pilotos Jaeger, incluindo o rival Lambert (Scott Eastwood) e uma jovem hacker de 15 anos, contra uma nova ameaça que pode levar à extinção da humanidade. Poderá ser visto nos cinemas portugueses a partir de 5 de Abril.

Ilha dos Cães


Após uma pausa que durou quatro anos, Wes Anderson regressa à cadeira de realizador com Ilha dos Cães. O filme segue a viagem de um jovem na procura pelo seu cão numa ilha exclusiva a estes animais, que foram lá colocados de forma a prevenir a contaminação de uma doença. Com um elenco de luxo, que junta nomes como Bryan Cranston, Edward Norton, Bill Murray, Scarlett Johansson, Tilda Swinton e Yoko Ono, Ilha dos Cães tem estreia prevista em Portugal para dia 25 de Abril.

Vingadores: Guerra do Infinito

2018 vai marcar o décimo aniversário de Homem de Ferro, o filme que inaugurou o Universo Cinemático da Marvel. Mas com a ocasião também se aproxima a conclusão dos vários anos que prometeram a chegada do vilão Thanos. Guerra do Infinito vai ainda ter o crossover mais ambicioso da Marvel Studios, ao incluir não só Os Vingadores como também os Guardiões da Galáxia. A sua data de estreia está prevista para o dia 3 de Maio.

Deadpool II


Depois do sucesso que causou no dia de São Valentim nas salas de cinema, era inevitável que Deadpool voltasse aos grandes ecrãs. Pouco se sabe deste filme para além do regresso de Ryan Reynolds, Morena Baccarin e T.J. Miller e da inclusão de Josh Brolin e Zazie Beetz. David Leitch, responsável por Atomic Blonde, vai ser o realizador deste projecto que deve estrear em Portugal no dia 31 de Maio.

Mundo Jurássico: Reino Caído

Depois de Mundo Jurássico ressuscitar em 2015 o franchise iniciado por Steven Spielberg, Mundo Jurássico: Reino Caído promete seguir essa senda. A multifacetada e divertida campanha de marketing tem sido elogiada e eficaz, mas é o regresso de Jeff Golblum enquanto Ian Malcolm que está a captar toda a atenção. Mundo Jurássico: Reino Caído apresenta-se ao público a 22 de Junho.

Ocean’s 8

Em 2018 o crime chega no feminino… e vem cheio de estilo. Vem aí uma nova versão da trilogia que começou com Ocean’s Eleven – que juntou George Clooney, Brand Pitt e Matt Damon no mundo do crime – mas, desta vez, só com mulheres. Ocean’s 8 acompanha Danny Ocean (Sandra Bullock) e as suas parceiras de crime, que tentam assaltar a gala anual de angariação de fundos do Costume Institute do Metropolitan Museum of Art. Elas são Cate Blanchett, Anne Hathaway, Helena Bonham Carter, Mindy Kaling, Sarah Paulson, Awkwafina e Rihanna. O filme chega às salas de cinema portuguesas a 14 de Junhoo.

Sicario II: Soldado

A sequela de um dos filmes mais bem recebidos de 2015. Denis Villeneuve e Emily Blunt não regressam, mas Benicio Del Toro e Josh Brolin sim. Sicario 2: Soldado promete fazer regressar a tensão constante e a fotografia deslumbrante que cativaram o público há dois anos. O filme tem estreia marcada para 29 de Junho.

Os Incríveis II

Após o enorme sucesso de Os Incriveís, em 2004, a Pixar traz-nos por fim a aguardada sequela. Com Os Incriveís II regressa grande parte da equipa original, incluindo o realizador Brad Bird e o elenco de vozes de Craig T. Nelson, Holly Hunter e Samuel L. Jackson. O filme retoma a história do seu antecessor, com os nossos heróis a enfrentar um novo vilão, o Underminer. Os Incríveis II estreia a 15 de Junho e será certamente um dos maiores filmes do verão.

Mamma Mia: Here We Go Again


Dez anos depois do sucesso de Mamma Mia, “lá vamos nós de novo”. Desta vez, desvenda-se a história da jovem Donna (Lily James) – a sua banda, o seu grande amor e gravidez – enquanto é revelado o rumo das personagens depois do primeiro filme. Mamma Mia: Here We Go Again, escrito e realizado por Ol Parker, junta novamente Meryl Streep, Amanda Seyfried e Pierce Brosnan, entre outros, além do novo elenco que conta com a participação de Cher. O filme tem data de estreia marcada para 27 de Julho."
Artigo redigido por Adriano Ferreira, Carlos Bonifácio, Gonçalo Silva, Hugo Geada, Matilde Castro, Pedro Rodrigues, Rita Inácio e Rui F. Pereira, Espalha-Factos

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Eventos culturais e musicais

EVENTO

A Noite das Ideias

Quinta, 25 Janeiro, 19:00—24:00, Auditório 2, Auditório 3, Sala 1, Entrada livre


A imaginação ao poder” é o mote para esta noite especial na Fundação Gulbenkian, que irá decorrer também em dezenas de lugares por todo o mundo. A entrada é livre para todas as conferências, palestras e espectáculos, das 19:00 à meia-noite.
Manuel Aires Mateus, Eduardo Lourenço, José Gil, Ricardo Araújo Pereira, David Machado, Dominique Wolton, Xavier Veilhan e Ève Chiapello são alguns dos muitos oradores convidados.
SABER MAIS
Créditos - Manuel Ruas Moreira

PERFORMANCES

A Noite das Ideias

Quinta, 25 janeiro, 19:00—24:00, Átrio do Museu e da Biblioteca de Arte. Entrada livre


Além das conferências, a Noite das Ideias terá performances de artistas, da dança à ilustração. A “Revolução Fantasma” de António Jorge Gonçalves e Filipe Raposo, às 19:25; “Miragens” da bailarina Magalie Lanriot às 21:05 e 22:20; “Assinatura sonora de um corpo em movimento”, de Daniel Tércio, Jonas Ruas e Marta Fernandes, às 21:30 e 22:45; e "Arremesso V" de Sofia Dias e Vitor Roriz às 23:35.
VER PROGRAMA COMPLETO


Daniil Trifonov
Sábado e domingo, 19 e 20 Janeiro, 21:00 e 19:00, Grande Auditório
 
O jovem pianista Daniil Trifonov interpreta o único Concerto para Piano e Orquestra de Robert Schumann, uma das suas obras de eleição, acompanhado pela Orquestra Gulbenkian sob a direcção do maestro Hannu Lintu.
SABER MAIS

EVENTO

Isto é PARTIS

26 a 28 Janeiro


Três dias de espectáculos e actividades gratuitas numa mostra do PARTIS – Práticas Artísticas para a Inclusão Social. O PARTIS é um programa de apoio a projectos que privilegiam a arte como meio de intervenção social junto de crianças e jovens em risco, reclusos e ex-reclusos, imigrantes, pessoas isoladas ou com deficiência, entre outros. 
SABER MAIS
CINESUR - MICROCINE LATINO-AMERICANO  
A Mutirão apresenta CineSur – Microcine Latino-americano de Lisboa, dez ciclos temáticos dedicados ao cinema na Casa da América Latina ao longo do ano de 2018, todas as últimas quartas, quintas e sextas-feiras do mês.

PROGRAMAÇÃO JANEIRO
MIRADAS INDÍGENAS

 
24 DE JANEIRO ' 19H
quarta-feira
ABISMO CLIMÁTICO 
|Microcine Cinemarka de Cusco'PERU'2016'DOC'15min|
 CURACA DE LAS HUANGANAS 
|Red de Microcines de Iquitos'PERU'2015'FIC'DOC'13min|
 TU WAKUIPAKA 
|Escuela de Comunicaciones del Pueblo Wayuu'Colombia'2017'DOC'5min|
 LOS HILOS DE LAS MUJERES JAGUAR 
|Grupo de mujeres mayas Kaqla'Ambulante Más Allá'MÉXICO'GUATEMALA'2014'DOC'13min|

seguido de debate com RENÉ WEBER, integrante do Grupo Chaski e da Red de Microcines Chaski'PERU'
25 DE JANEIRO ' 19H
quinta-feira
 EL NAIL 
|NÉSTOR A. JIMÉNEZ DIAZ'AMBULANTE MÁS ALLÁ'MÉXICO'2015'DOC'29min|
 HEROE TRANSPARENTE 
|ORGUN WAGUA'PANAMA'2014'DOC'52min|
26 DE JANEIRO ' 19H
sexta-feira
 SAHUARI 
|COMUNIDAD DE BALDA LUPAXI E AUDIOVISUALES DON BOSCO'QUÍCHUA'EQUADOR'1989'FIC'116min|
precedido de debate com MIGUEL RON, assistente de fotografia quíchua'EQUADOR'
+ CINE FIESTA! COM GUILLOTINA CUMBIERA!
Informação completa dos filmes e bilheteira no site oficial: amutirao.com/cinesur
No sábado, dia 27 de Janeiro, vamos "Por esses campos fora". São 12km de percurso em que, a partir de Quintos, todos os caminhos (de ferro) vão dar a Roma.
A riqueza agrícola da região do Baixo Alentejo pode ser facilmente constatada com a "nova revolução agrícola" surgida nas planícies regadas pela água de Alqueva, mas já presente em intenções de investimento com mais de cem anos, como a construção do Ramal Ferroviário de Moura, que tinha como prioridade o escoamento dos cereais do Alentejo para Lisboa.
As ruínas da antiga Estação de Quintos registam esse momento, mas a importância dada à produção destas terras começou milénios antes com os primeiros agricultores no Neolítico que nos legaram vários vestígios arqueológicos agora descobertos neste território.
A expansão agrícola conheceria um salto qualitativo com a chegada dos romanos, observável nos muros e pedras das villae que ainda resistem, como os formidáveis vestígios da Torre Cardeira.
Venha descobrir connosco este percurso interpretado por Miguel Serra (arqueólogo) e José Pereira.
Os participantes deverão trazer calçado confortável, água, peça de fruta e impermeável ou chapéu.
Duração: 3h30
Inscrição obrigatória: (nome, CC/BI, contacto telefónico, email) através do email:  turismo@cm-beja.pt ou do telefone: 284311913
Luis Miguel Cintra (está de regresso e) estreia "Um D. João Português" em Guimarães
A 19 e 20 de Janeiro, Guimarães recebe um dos maiores nomes do teatro português, Luis Miguel Cintra, que elegeu o Centro Cultural Vila Flor para a estreia absoluta da sua mais recente criação.
Depois de um percurso de 43 anos à frente do Teatro da Cornucópia, Luis Miguel Cintra regressa ao trabalho com um grupo de actores ligados à companhia que entretanto terminou. Ao longo de 2017, o grupo realizou quatro residências artísticas em outras tantas cidades – entre as quais Guimarães – e, em cada uma delas, partilhou com o público as diferentes fases de preparação do seu novo espectáculo, “Um D. João Português”. Após a construção de todos os segmentos, chegou finalmente a hora da estreia absoluta da versão integral, que acontecerá no Grande Auditório do CCVF nos dias 19 e 20 de Janeiro.
Molière não foi o único autor a dedicar-se à figura de D. João. Ao longo dos séculos, o libertino inspirou obras de Tirso de Molina, Lord Byron e, talvez a mais famosa de todas, a ópera Don Giovanni, de Mozart. Luis Miguel Cintra parte de uma tradução de cordel portuguesa do séc. XVIII, anónima e em que o nome do dramaturgo francês é omisso, e evoca um conjunto de referências culturais e artísticas de vários tempos para construir um espectáculo em que D. João é, mais do que europeu, verdadeiramente português. Construído ao longo de 2017 em quatro cidades, Montijo, Setúbal, Viseu e Guimarães, o espectáculo acompanha o percurso em fuga de D. João e do seu fiel criado Esganarelo, como se de um road movie se tratasse. A vida vai-se revelando no contacto de ambos com as mais diversas realidades, da mais densa reflexão filosófica à entrega aos prazeres mais simples. Constante, porém, é a busca pela total liberdade por parte do protagonista, que tenta escapar a tudo aquilo que possa impedi-lo de viver como bem lhe apetece. Existe, ainda assim, um único limite que talvez não lhe seja possível transpor: a morte.
Mais do que preparar, desde logo, um produto acabado pronto a consumir, o processo de trabalho que deu origem a “Um D. João Português” procurou dar ao público a possibilidade de participar numa reflexão sobre a transformação da actividade artística. Em simultâneo, do ponto de vista artístico, este projecto implicou uma busca permanente pela libertação da linguagem cénica de quaisquer modelos previamente estabelecidos, assumindo diferentes formas de abordagem de acordo com as características de cada local, misturando estilos e registos, referências culturais populares e eruditas, clássicas e contemporâneas.
Na sua forma integral, “Um D. João Português” junta em palco um corpo de 18 actores e apresenta-se dividido em duas partes: no primeiro dia vamos poder assistir aos primeiros dois blocos, Na Estrada (da Vida) e O Mar (e de Rosas); no segundo, aos dois restantes, As Árvores (dos Desgostos) e A Escuridão ao Fim da Estrada. Depois da estreia em Guimarães, esta coprodução da Companhia Mascarenhas-Martins, do Teatro Viriato e do Centro Cultural Vila Flor fará um percurso no sentido inverso ao da sua preparação, com apresentações marcadas no Teatro Viriato, Fórum Municipal Luísa Todi, Cinema-Teatro Joaquim d’Almeida, e adicionando uma nova cidade ao roteiro: Almada, no Teatro Municipal Joaquim Benite.
Os bilhetes para “Um D. João Português” (válidos para a parte I (sexta) e parte II (sábado)) podem ser adquiridos nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor, do Centro Internacional das Artes José de Guimarães e da Casa da Memória de Guimarães, bem como nas lojas Fnac e El Corte Inglês, entre outros pontos de vendas, e na internet em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt


Europa, Memória e Património Cultural
Por Guiherme d'Oliveira Martins, coordenador nacional do Ano Europeu do Património Cultural
"O ano 2018 está à porta e o Comissário Europeu para a Educação e Cultura, Tibor Navracsics, ao abrir oficialmente o Ano Europeu do Património Cultural recordou no dia 6, no Fórum Europeu da Cultura, que não estamos apenas a falar «de literatura, arte, objectos, mas também de competências aprendidas, de histórias contadas, de alimentos que consumimos e de filmes que vemos». De facto, precisamos de preservar e apreciar o nosso património, como realidade dinâmica, para as gerações futuras. Compreender o passado, cultivá-lo, permite-nos preparar o futuro. Estamos a encetar um momento muito importante na vida da União Europeia. Apesar dos sinais de crise (e é muito curioso que contemos com muitos representantes da sociedade civil e da comunidade científica do Reino Unido e com muitos jovens de todos os países da União Europeia, mas também do Conselho da Europa), há uma clara consciência de que uma cultura de paz começa pelo culto e pelo cuidado relativamente ao património cultural. Como poderemos avançar sem partirmos das nossas raízes? Como poderemos preparar, de modo informado e conhecedor, o progresso futuro sem cuidar da continuidade e da mudança – segundo um processo de metamorfose, como Edgar Morin tem defendido? Procuramos, assim, sensibilizar a sociedade e os cidadãos para a importância social e económica da cultura – com o objectivo de atingir um público tão vasto quanto possível, não numa lógica de propaganda ou de superficialidade, mas ligando a aprendizagem da História e o rigor na comunicação e na defesa das línguas, articulando educação e ciência, numa perspectiva humanista aberta e exigente.Na sequência do debate dos líderes europeus em Gotemburgo, a 17 de Novembro, sobre educação e cultura, importa pôr em prática o Plano de Acção de longo prazo para a Cultura e o Património. A cultura representa a aposta no fator humano, de modo a que a sustentabilidade deixe de ser apenas financeira – devendo ser social, ambiental, energética, técnica, ou educativa, numa palavra, humana. Afinal, a importância económica da cultura é muito maior do que se julga à primeira vista (lembremo-nos da mobilidade, da formação, das línguas, na capacidade científica, da eficácia da aprendizagem ou da atenção e do cuidado ao património material e imaterial, em ligação com a criação contemporânea). Se é verdade que, segundo o Euro-barómetro, 8 em cada 10 europeus consideram o património cultural importante, para cada um, mas também para a comunidade, para o país e para a União no seu conjunto, importa compreender que estamos a falar de um factor crucial para podermos superar egoísmos, fechamentos e conflitos insanáveis. Mais de 7 em cada 10 europeus concordam que a ligação entre património e qualidade de vida é relevante, em nome de um desenvolvimento humano sustentável. E 9 em cada 10 considera que o ensino nas escolas têm um papel fundamental neste domínio. Afinal, as políticas culturais têm de se centrar cada vez mais na atenção efectiva atribuída ao património cultural. Daí que em Portugal, a ligação às escolas desta iniciativa europeia seja fundamental – pela eficácia multiplicadora e pela recusa de uma lógica comemoratória, momentânea e sem consequência social. E se é certo que é esta a perspectiva que nos importa, não podemos esquecer o valor económico do património cultural como fonte de desenvolvimento – 7,8 milhões de postos de trabalho na União Europeia estão ligados indirectamente a este tema, como o turismo e tantos serviços conexos com a mobilidade e o conhecimento. 300 mil pessoas estão directamente ligadas ao património na União Europeia e concentramos cerca de metade dos sítios classificados (mais de 450) no Património Mundial da UNESCO. Compreende-se, assim, que a decisão do Conselho e do Parlamento Europeu de 17 de maio de 2017 de declarar 2018 como o Ano do Património Cultural corresponda à afirmação de um desígnio ambicioso: baseado na necessidade de consagrar a mobilização de vontades em torno de um ideal europeu de respeito mútuo, de qualidade e de humanismo, certos de que não podemos deixar ao abandono o que nos legaram as gerações que nos antecederam, nem acomodar-nos à irrelevância e à mediocridade. 
Em Milão, este ano, o Fórum Europeu da Cultura reflectiu sobre o papel da cultura e da criatividade para o desenvolvimento humano. A crise financeira, de que pretendemos sair nas melhores condições, baseou-se na ilusão, na fragmentação e na recusa do médio e longo prazos e da complexidade… Importa agora definir interesses vitais comuns e o bem comum cultural, que apenas pode vingar se houver diversidade, colaboração mútua e ligação entre a coesão social e a capacidade inovadora da sociedade. O conceito moderno de património cultural, definido na Convenção de Faro do Conselho da Europa de 2005, valoriza a memória e considera-a factor de cidadania, de dignidade e de democracia - eis o que está em causa."
por Guilherme d'Oliveira Martins
Coordenador nacional do Ano Europeu do Património Cultural

"Morfologia Humana - Ciência e Arte"

A Casa-Museu Medeiros e Almeida, em Lisboa, recebe a inauguração da exposição, seguida de uma conferência sobre arte e medicina, proferida por Guilherme d'Oliveira Martins.
Exposição patente de 17 a 31 de Janeiro.
Casa-Museu Medeiros e Almeida
Rua Rosa Araújo, n.º41
1250-194 Lisboa 

Cinco novas rotas de arte urbana no Porto e Vila do Conde
"Obras dos artistas Vhils, Hazul, Mr. Dheo ou Third podem ser vistas no âmbito do projecto StreetArtCEI, que apresenta cinco rotas de percursos culturais alternativos criadas no Porto e Vila do Conde, anunciou o Politécnico do Porto

As rotas do Marquês, Bolhão, Trindade, São Bento e Vila do Conde são os cinco trajectos turísticos de arte urbana no Norte do país e disponíveis online.
No site streetartcei.com há imagens de "manifestações artísticas marginais com visibilidade acessível e elevada qualidade estética. Neste mapa constam artistas como Vhils, Hazul, Mr. Dheo ou Third", refere o Politécnico do Porto, que lidera o projecto através do Centro de Estudos Interculturais (CEI).
O grande objectivo do projecto StreetArtCEI é democratizar o acesso a esta forma de expressão artística e captar turistas para a descoberta das principais artérias turísticas da região norte, valorizando mesmo economicamente, as manifestações artísticas que as cidades oferecem, tanto a visitantes como a habitantes", explica o Politécnico do Porto.
As imagens foram seleccionadas e georreferenciadas, gerando um mapeamento que demonstra os padrões de recorrência espacial dessas manifestações artísticas.
"Sobrepomos esse mapeamento às disponibilidades de acesso, transporte e infraestruturas urbanas e à duração de um hipotético percurso pedestre", explica Clara Sarmento, investigadora líder deste projecto.
O projecto prevê, numa segunda fase, identificar mais rotas turísticas de arte de rua, abrangendo Braga, Aveiro e Ovar, com ligação a rotas semelhantes no Sul, nomeadamente na Grande Lisboa.
O StreetArtCEI é uma 'spin-off' do projecto "TheRoute - Tourism and Heritage Routes including Ambient Intelligence with Visitants' Profile Adaptation and Context Awareness", liderado pelo Politécnico do Porto. Uma ‘spin-off’ é uma empresa nova criada para explorar produtos ou serviços tecnológicos ou inovadores, concebida a partir de um grupo de pesquisa ou centro de investigação." e-cultura
Prémio Universidade de Coimbra para Rui Vieira Nery

"O musicólogo, historiador cultural e professor universitário Rui Vieira Nery foi hoje distinguido com o Prémio Universidade de Coimbra 2018, anunciou o reitor João Gabriel Silva.

Professor da Universidade Nova de Lisboa e director do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas (na Fundação Gulbenkian também foi director-adjunto do Serviço de Música e director do programa Educação para a Cultura), Rui Vieira Nery é licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa e doutorado em Musicologia pela Universidade do Texas, em Austin.
Rui Vieira Nery desempenhou, entre diversos outros cargos, o de comissário das Comemorações do Centenário da República Portuguesa e de presidente da Comissão Científica da candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural imaterial da Humanidade (UNESCO).
O Prémio Universidade de Coimbra, no valor de 25 mil euros, distingue uma personalidade de nacionalidade portuguesa que se tenha afirmado por uma intervenção particularmente relevante e inovadora nas áreas da cultura ou da ciência.
O galardão, instituído em 2004, patrocinado pelo banco Santander Totta e apoiado pelo Jornal de Notícias, já distinguiu o crítico gastronómico José Quitério, o antigo reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa, o cineasta Pedro Costa, o músico e compositor António Pinho Vargas, a cientista Maria de Sousa, o investigador catedrático de química Adélio Mendes e o artista plástico Julião Sarmento, entre outros nomes.
O prémio da edição deste ano é entregue em 01 de Março, durante a sessão solene comemorativa do 728.º aniversário da Universidade de Coimbra." DN/Lusa,18.01.18
A 20 de Janeiro, A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria estreia a sua curadoria musical no Teatro Nacional D. Maria II com o ciclo “Portugal em vias de extinção”, com um grupo de polifonia de Carvalhal de Vermilhas, Vouzela.

Para finalizar esta celebração, no dia 21 de Janeiro, irá organizar-se um grande piquenique manifesto musical em Monforte da Beira, chamado “À Nossa Beira”. Este piquenique vai levar músicos e grupos de todas as partes do país a uma pequena aldeia da Beira Baixa, como um manifesto para se conhecer Portugal.
Fica lançado o repto! Cada pessoa leva o que quiser (comida, bebida, música), e como não existe um palco ou uma programação musical, cada um tocará ou cantará se e quando quiser, e traz a sua família e amigos para todos conviverem.
Está já confirmada a participação do grupo de bombos Toc'andar da Marinha Grande, das Cantadeiras do Vale do Neiva de Viana do Castelo, do Pedro Mestre e a sua viola campaniça, das Ceifeiras de Pias, do grupo Coral da Academia Sénior de Serpa, do grupo de cavaquinhos de Torres Vedras, das Adufeiras da região, do percussionista Tiago Pereira e de muitos outros músicos de outras vertentes musicais como o Éme, a Moxila e o Jorge Cruz (Diabo na Cruz).
Em colaboração com a CP-Comboios de Portugal, parte um comboio de Lisboa, que pode ser também apanhado no Entroncamento e que levará as pessoas a Castelo Branco, onde estará um autocarro para os levar para Monforte da Beira. Com uma forte colaboração da Junta de Freguesia de Monforte, este é um manifesto para que as pessoas se juntem, conheçam o seu país e entendam a determinação e a força que se tem de ter para se viver no interior."